Os cursos PRH são “tempos fortes” dentro da formação que propomos. Neles, não pretendemos apenas oferecer conhecimentos ou teorias sobre o ser humano e o seu desenvolvimento, mas especialmente proporcionar uma experiência de autodescoberta, a partir da observação de vivências interiores que os participantes vão sendo orientados a fazer sobre o tema abordado, dentro dos objetivos do curso.

Elementos do método PRH

TPA – Trabalhos Pessoais de Análise da própria experiência

São compostos de uma vou várias perguntas que visam tocar nas vivências pessoais do presente ou do passado, despertando sensações de conteúdo psicológico, para favorecer a análise dos seus conteúdos e a descoberta de algo novo que permanecia inconsciente.

Em um curso PRH, os TPA formam um itinerário sequencial de pontos de observação sobre um tema ou um setor da vida humana. Analisando as sensações despertadas pelas perguntas, o participante tem a oportunidade de fazer uma exploração pessoal e encontrar pistas para crescer.

Portanto, na formação PRH não propomos uma atividade puramente intelectual, mas sim um processo de imersão em si mesmo. Isto requer uma atitude de abertura às sensações interiores e um acolhimento dos conteúdos das mesmas, para ir decifrando, por escrito, o que vai sendo revelado pelas sensações.
A autoanálise é o elemento pedagógico fundamental de acesso ao mundo interior, através do qual é possível alcançar e decifrar as realidades vivas em todos os níveis da pessoa. Com ela, podemos trabalhar e avançar no próprio crescimento.

Em alguns cursos, para favorecer a abordagem das sensações interiores, propomos previamente alguns exercícios corporais ou técnicas de expressão criativa através do desenho ou da pintura.

Uma partilha autêntica e respeitosa

Em nosso método, a interação entre os participantes se caracteriza pelo respeito às experiência compartilhadas e pelo ritmo de cada um. Isso permite que os participantes possam “existir” com confiança e liberdade.

Assim, durante os cursos e grupos de apoio e crescimento, os participantes têm a oportunidade de compartilhar suas descobertas, sem que esta seja discutida pelos outros. Isto produz uma atmosfera de receptividade aceitação e respeito e não julgamento. Este modo de partilha favorece a continuidade das próprias descobertas.

Durante os tempos livres, os participantes têm a possibilidade de interagir entre si. São convidados a se conhecerem mais e a viver intercâmbios livres, mantendo as mesmas atitudes vividas durante os tempos de partilhas em grupo. As circunstâncias da vida cotidiana nem sempre promovem intercâmbios nesse nível.

Referência à pesquisa PRH

As descobertas feitas durante as análises pessoais são enriquecidas por Notas de observações e contribuições oriundas da pesquisa PRH sobre o tema que vai sendo explorado. Essas observações sobre a pessoa humana e o seu crescimento, fazem parte do “Sistema Explicativo PRH” e permitem que os participantes verifiquem e compreendam sua experiência pessoal, confrontem com o que está descrito nesses documentos, bem como identifiquem caminhos para o seu progresso para a afirmação da sua personalidade.

Assim, o que é aprendido vai se integrando à experiência pessoal vivida. Isso permite aumentar a consciência de si, evoluir para formas de funcionamento mais ajustadas e fazer melhores escolhas para o próprio desenvolvimento pessoal.

Um ambiente vitalizante para o trabalho pessoal e para o crescimento

Trabalhamos em grupos de 6 a 15 pessoas, compostos de homens, mulheres, adultos, jovens e idosos, pessoas de todas as esferas da vida, independente do grau de instrução, profissão, crença ou visão de mundo. Todos são convidados a trabalhar juntos, mas de maneira autônoma. Isto enriquece a autopercepção e a compreensão do ser humano.

Nosso método não inclui dinâmicas de grupo. Cada um é convidado a manter o olhar voltado à própria vivência e a avançar pessoalmente, com outros.

O respeito à liberdade é fundamental em todos os momentos. Ninguém é obrigado a qualquer coisa. Cada um define o limite daquilo que deseja observar em si e registrar de sua experiência vivida, bem como o que deseja partilhar ao grupo.

Em função da diversidade dos grupos, estes tempos são oportunidades para conhecer outras pessoas em um nível mais profundo. Por exemplo, pais ouvem outros pais e filhos, filhos ouvem outros filhos e pais, profissionais ouvem outros profissionais, etc. Assim, os participantes tornam-se mais receptivos aos outros e a situações de vida semelhantes à sua, bem como a situações em que não têm experiência, e tudo isso em um contexto de confidencialidade.

Quando propomos aos participantes a exploração algum aspecto particular de sua vivência interior, isto deve ser descrito tal como é sentido, de forma simples e pessoal. Assim, os participantes tornam-se mais familiarizados com o tema abordado, a partir da própria experiência, de sua especificidade e de sua história, recebendo ao mesmo tempo o específico e a história de cada um. Isso ocorre em um ritmo calmo, que permite tempo suficiente para que cada um possa se concentrar em sua experiência vivida e analisar suas sensações interiores.

A partir de uma atmosfera tão positiva e receptiva, onde as pessoas podem viver e se expressar, é possível fazer descobertas construtivas e vitalizantes.

Um processo de tomada de decisões baseado no discernimento pessoal

Em cada ação formativa, permanecemos atentos às consequências decorrentes das descobertas feitas e que levam a uma ou várias novas orientações na vida pessoal. Os participantes são sempre convidados a avaliar a importância dos seus convites interiores para avançarem em sua vida. Isso envolve o exercício da própria liberdade e possíveis novos compromissos pessoais.

Para administrar bem a própria vida, propomos o exercício de um método para tomar pequenas ou grandes decisões àqueles quem desejem aprendê-lo. Isto evolui ao lado da capacitação de no método da autoanálise, o que permite manter-se em contato com a vida interior. Assim, o discernimento já não é mais feito mais em função de pedidos, tendências ou princípios de outros, mas a partir de uma referência pessoal, interna, que em PRH vamos aprendendo a identificar e a escutar. Trata-se da própria consciência profunda, que é a chave para a personalização.

Há um curso específico no qual se aprende o método PRH para a tomada de decisões. Por meio dele, os participantes tornam-se mais habilidosos e seguros em seus discernimentos.